quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Manuel de sobrevivência ao Taxismo

Mais um skecth de Fogo Posto!, sobre o qual FHF, no seu blog, escreveu isto:

Anos e anos a apanhar táxi obrigaram-me a desenvolver técnicas avançadas de protecção contra essa espécie que se convencionou chamar de taxistas. Ciente dessas minhas capacidades, o Pina convidou-me a partilhar com os espectadores do Fogo Posto! tudo o que é necessário para sobreviver à prática do taxismo. Magnânimo, aceitei imediatamente, mesmo correndo o risco de nunca mais poder voltar a apanhar um táxi novamente. São os riscos próprios dos pioneiros que avançam de forma destemida por terrenos perigosos e desconhecidos - e haverá terreno mais perigoso e desconhecido do que os meandros da mente de um taxista?

As regras de sobrevivência que apresento neste Manual - um daqueles sketches cuja edição e montagem preferi fazer por aqui, na pacatez do meu lar, a par de outros como "SOS - Professores colocados", "Sala de Chuto", ou "Dr. Jesus: Serviço de Urgência", só para dar algums exemplos" - foram depuradas ao longo de anos de prática, e posso garantir, com toda a segurança, que funcionam, visto que já me safaram o pêlo mais de uma vez. Este é o chamado saber de experiência feito.

Desenvolvi muitas outras técnicas de sobrevivência para além destas, a serem postas em prática noutras situações que não as que estão aqui contempladas, e que poderei - quem sabe - vir a partilhar num futuro mais ou menos próximo. Mas estas são as três principais, que têm em conta os perigos mais comuns que nós, os comuns mortais, temos de enfrentar sempre que nos deparamos com a inevitabilidade de apanhar um táxi.

Não precisam pois de voltar a sentir medo de cada vez que estenderem a mão para chamar "Táxi!", ou quando requisitarem uma dessas viaturas via telefone: este Manual de Sobrevivência ao Taxismo resulta, e agora está à vossa disposição.